terça-feira, 4 de agosto de 2009

Fazer tudo como se fosse para o Senhor

Olá, meus queridos leitores!

Tenho estado bastante ocupada com meu trabalho, por isso não estou tendo tempo de atualizar o blog. Porém, remexendo aqui no meu computador, eu encontrei um texto que escrevi há vários meses, quando este blog ainda era um pequeno embriãozinho.

Antes que vocês fiquem preocupados, meus 13 leitores, saibam que eu não estou chateada com ninguém nem deprimida. Como eu disse, o texto é antigo.

Em breve postarei novos textos meus. Minha cabeça está cheia de ideias e o computador cheio de rascunhos. Só falta tempo para dar forma a essas ideias e rascunhos.

Enquanto isso, espero que gostem deste!


Fazer tudo como se fosse para o Senhor

"Olhe para você e vai encontrar em toda a longa jornada de sua vida apenas ódio, solidão, desespero, ruína e decadência. Mas olhe para Cristo e irá encontrá-Lo e, com Ele, tudo o mais de que você necessita." - C.S. Lewis.

Às vezes me pego decepcionada com alguém. Eu me dedico muito às pessoas de quem gosto. Consequentemente, espero muito delas, e várias vezes saio frustrada ou machucada.

Não é sempre que me sinto assim. Meus melindres não são tantos a ponto de eu ficar choramingando pelos cantos. Existem muitas ocasiões em que eu me sinto perfeitamente recompensada mesmo sem que um alarde seja feito ou mesmo uma palavra seja dita. Fazer o bem é bom.

Eu gosto de ajudar, gosto de fazer o bem aos outros. Mas eu também quero o reconhecimento. Não para glória ou fama; quero apenas um sorriso que diga: eu aprecio o que fez por mim.

E então chegam aquelas vezes em que a única resposta que eu tenho é a solitária visão das costas daquela pessoa a quem acabei de ajudar. De dar a mão. De emprestar o braço. Não há um critério muito claro para esse sentimento aparecer. Não é uma equação. As situações têm configurações diferentes, significados diferentes, assim como os relacionamentos que temos com as pessoas à nossa volta.

É difícil nessas horas. A tentação é grande para sentirmos pena de nós mesmos e, ao mesmo tempo, darmos tapinhas nas nossas próprias costas. "Eu fiz a minha parte. Eu estou certo, eles estão errados. Pecadores são eles. Eu estou no caminho correto. Ah, se todos fossem como eu!"

A verdade é que você pode até estar certo, mas não deve ficar pensando no assunto nem se sentir melhor do que ninguém por isso. Lewis escreveu certa vez que quem pensa na própria humildade já a deixou para trás há muito tempo.

O caminho para a cura de uma ferida como essa passa pelo propósito de Deus para as nossas vidas: "Fazer tudo como se fosse para o Senhor." Uma frase batida e por muitos repetida, mas quase nunca vivenciada. Foi ela que o Senhor me mostrou num dia em que eu estava dando uma festa de autocomiseração na minha alma. Ele me lembrou que sou amada por Aquele que me criou e me fez com um propósito. Que eu não sou menos do que eu pensava só porque alguém esqueceu de reconhecer um favor. Ele me disse que devo fazer tudo como se fosse para Ele. Com prazer, gratidão e com boa disposição. Fazer para a glória dEle. Ainda que ninguém sequer fique sabendo, Ele sabe. E não o faço para ganhar loas, simplesmente. Faço porque O amo e porque quero agradá-lo. Como um filho pequeno que vai buscar os chinelos do pai no quarto quando ele chega do trabalho, simplesmente porque ama o pai. O reconhecimento, a recompensa, quer sejam abertos, grandes e vistos por todos, quer sejam secretos e só no íntimo do nosso ser, são os presentes que Ele nos dá. E não há coisa melhor no mundo do que a aprovação do nosso Pai.

16 comentários:

Erika Carlson disse...

Wow!!! Intenso. A maioria de nós (inclusive eu) gosta de ouvir um "Valeu!" de vez em qdo mas nem sempre acontece. Qdo eu faço o que faço pelos outros é pq os amo e foi assim que aprendi em casa... e tbm pq depois de velha eu fiquei mais boba!

Mario Bragança disse...

Junia

Muito lindo o que voce escreveu.

Sou um dos seus 13 leitores, mas quem sabem sejam 13 ou 13 mil, o importante é que voce fez para o Senhor.

E isso me enche de orgulho de que voce seja minha nora.

Deus continue a te dar rascunhos e ideias e inspiracoes tao boas como essa.

Deus te abencoe.

Wania disse...

Oh que lindo o que o sogro escreveu. Concordo com ele em genero e numero.
Muito bom o que voce escreveu pensamentos de vencedor "fazer tudo para O Senhor", a recompensa maior está com Ele e quando niguem reconhece Ele sim. Qe linda a minha norinha. Por voce eu e a Mimi orei eu e estou muito feliz com a escolha de Deus. bjos

Morpheu disse...

Eu jah te falei que vc escreve muito bem e muito bonitinho?

Sou seu fan lindinha

Anne disse...

Só pra dizer que já passei por aqui e li o vosso blog hoje.
Você escreve muito bonitinho, viu.


flattler

Mimi disse...

E eu tive que ir no dicionário ver o que era loa. x)

Liviavaz disse...

Muito bonito o texto. Às vezes me pego com esse sentimento também, mas o Pai tem me ensinado muito com isso!

'noptina'

Deilza disse...

Junia
Conheço realmente este sentimento, de darmos o nosso melhor e muitas vezes sermos ignorados por estas pessoas a quem tanto ajudamos, alias isso se tornou normal em nossas vidas, pelo fato de pastoriarmos uma Igreja Brasileira. mas o que nos da força pra continuar é saber que Deus é que nos recompensara.
Gosto muito de ler suas historias.
Bjaoo

Nádia disse...

Junha, li tudinho, igual vc mandou! :p

E aproveito pra agradecer o tempo q vc fazia comidinha pra eu comer quando chegava do trabalho pra almoçar...tava lembrando disso ontem com a mãe, quando ela fez aquele frango na churrasqueirinha...contei pra ela q vc fazia dele pra mim tbm!
Obrigada irmanzinha por ter cuidado de mim...sinto sua falta aqui, não é nada bom ser filha única! :(

Bjaooooooooo

ruebea

Polly Plummer disse...

O último parágrafo é o meu favorito.

Graças a Ele porque Ele sabe o que fazemos - mesmo quando o esforço é tanto e aparentemente ninguém está "nem aí" para isso. E que tudo seja para Ele, nosso amado Observador.

LoreLoves¨theLord disse...

Fofinha e preciosinha =)

Debby disse...

Ah que fofonilda!
Gosto do jeito que tu escreve *.*

Beso e um queijo ^^

'sniali'

Ana Elisa disse...

Vim ver se tinha alguma atualização e vi que não tinha lido esta postagem.
:D

Neste exato momento meus pais estão passando por uma situação desagradável: um casal que é amigo de infância deles (a mulher amiga de infância da minha mãe e o marido amigo de infância do meu pai - as tais coincidências da vida) tem uma filha, que considero como uma prima, que casou e não encontrava apartamento. Como estávamos de mudança e o nosso apartamento ia ficar vazio, meus pais deixaram eles morarem lá sem cobrar aluguel. Isso há quase 3 anos.
Entrar em detalhes aqui seria cansativo, mas, para resumir, eles cometeram um ato que é no mínimo desleal com meus pais e ainda querem se fazer de vítimas da situação.

Acredito que tudo vai se resolver, afinal, gestos de generosidade não passam despercebidos, pricipalmente por Deus, mas concordo que é muito mais fácil se sentir injustiçado ou infeliz.

Infelizes são eles, não concorda? Afinal, são os que não sabem reconhecer um gesto de generosidade do outro.

Você sabe que não sou uma pessoa tão ligada à religião, apesar de ter a minha fé em Deus.
Já há algum tempo não espero o reconhecimento das pessoas, prefiro guardar as coisas para mim, pois eu sei e Deus sabe. Isso já é suficiente.

Junia disse...

Pois é, Ana. Eu sempre digo que a gente deve se perguntar o seguinte: quero viver fazendo o que é certo ou me deixando influenciar pela mesquinheza e mediocridade das pessoas à minha volta? Eu prefiro dar o melhor de mim, ainda que às vezes doa depois.

Allan Gomes disse...

Olá, não a conheço.

Procurava algo totalmente diferente do que encontrei em seu blog.
Inicialmente notei que o texto era extenso, porém, quando dei conta, estava totalmente atraído pelo assunto.

Obrigado por dedicar o seu tempo e deixar algo tão precioso.

Allan Gomes
SP - Brasil

Anônimo disse...

eu estava procurando apenas o vercículo e me deparei com os seus pensamentos e vi que são exatamente os meus. Gente, é Deus falando comigo! Mas sabe por mais que eu me esforçe não consigo deixar de me abater, qdo faço o bem e recebo o mal das pessoas. Fico batendo na tecla e pergnatndo pra Deus : Pq????pq acontece isso? e as vezes até falo, que não farei mas o bem pra ninguém. Derrepente me vejo de novo lá fazendo e fazendo, pq nem q eu me amarrasse à uma coluna , daria o jeito de soltar minhas maos e oferecer ajuda.

Helen
Benevides/Pará